sábado, 17 de fevereiro de 2024

As 4 Revoluções Industriais

Há algum tempo, eu tinha pensado em escrever um artigo por aqui falando sobre a 4ª Revolução Industrial – ou Revolução Industrial 4.0, também chamada de Indústria 4.0 –, que trata-se do momento atual da indústria, com a chegada de diferentes tecnologias, como inteligência artificial, computação em nuvem, internet das coisas e aumento na maturidade nos controles e automações de processos. Até já havia separado algumas referências para isso, mas no fim, acabou passando a motivação e não produzi. Talvez um dia ainda escreva, pois é um assunto do meu interesse.

Entretanto, dias atrás eu resolvi pesquisar sobre Revolução Industrial e cheguei em um texto bastante simples, mas bem objetivo. A partir disso, pensei que seria bacana fazer um desenho dessa evolução, trazendo os principais períodos e pontos chave do tema.

As 4 Revoluções Industriais

Eu não consigo pensar em Revolução Industrial sem associar mentalmente a imagem de pessoas quebrando máquinas 😅. É engraçado e triste ao mesmo tempo. Mudanças podem causar aversão e revolta, mas fazem parte da evolução natural da tecnologia. Contudo, o que me deixa intrigado é imaginar qual será a 5ª Revolução do próximo século 🧐?

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2024

Quando conectar o computador na internet era uma opção

Não que hoje deixe de ser – continua sendo uma opção utilizar um computador desconectado da internet –, mas o que a gente consegue (ou quer fazer) sem internet?


O ano era 2002 quando ganhei meu primeiro computador. Era de segunda mão. Um vizinho estava trocando o dele e vendeu o antigo para meus pais. Logo que compramos, meu pai perguntou se eu queria instalar internet e eu lembro que no auge dos meus 11 anos de idade, eu disse: "Não. Deixa eu aprender a utilizar o computador primeiro para depois ir para a internet.". Mas se não tinha internet, o que eu fazia com o computador?

  • Utilizando o Word, escrevi umas 12 páginas do que supostamente seria um livro de RPG, além de diversos outros pequenos textos aleatórios. Também digitava os trabalhos de escola, fazendo as pesquisas em livros.
  • No Paint, passava horas desenhando.
  • Utilizando o gravador do Windows, fazia narrações e depois ouvia usando o Winamp.
  • Jogava Campo Minado, Paciência, Pinball, dentre outros jogos terceiros, como Daytona Deluxe e POD: Planet of Death.
  • Ficava trocando os temas do Windows, o protetor de tela e o plano de fundo.

Computador com Windows 98 | Reddit

Bons tempos!


No ano seguinte, instalamos uma linha discada. Eu mal sabia abrir o Internet Explorer do Windows 98 e digitar um endereço na barra de pesquisas para acessar um site. Aos poucos fui aprendendo com pessoas e amigos que sabiam obviamente mais do que eu. Claro que mesmo com a internet instalada, nesta época, era um recurso apenas para o fim de semana, pois tratava-se de algo caro e que dependia da linha de telefone estar desocupada para utilizar. Portanto, ainda era mais comum utilizar o computador desconectado do que com internet.

Alguns anos mais tarde, quando eu já tinha meu segundo computador, meu pai aceitou instalar internet banda larga. Isso era lá em 2007. Quando fui à loja comprar um modem, o vendedor me ofereceu um modelo básico e que tinha um botão atrás para desligá-lo. Lembro que ele ainda comentou: "Caso você quiser só utilizar o computador sem internet, pode usar este botão.".

Meu primeiro modem ADSL | Redetronic

Em 2007, internet já era muito mais comum do que há 5 anos antes, com meu primeiro PC. Porém, veja que mesmo neste período, alguém ainda poderia pensar em não a utilizar.

Contudo, o que é possível fazer hoje em dia sem estar conectado na internet? 

Talvez o mesmo que fazíamos há 20 anos. Escrever, ler (desde que sejam textos salvos localmente), desenhar, jogar (contanto que sejam jogos offline), assistir vídeos ou ouvir músicas (desde que sejam mídias baixadas). Mas convenhamos: será que alguém – em pleno 2024 – liga o computador na expectativa de utilizá-lo sem conectar-se à internet? Tudo o que queremos fazer já é com a intenção de navegar. Parece que se perde totalmente o sentido estar com o notebook na mesa sem conexão com a internet. Trabalhamos com e para a internet. É como se não houvesse opção, mesmo sabendo que há.

sábado, 3 de fevereiro de 2024

O metaverso é o streaming na internet discada

Você já parou para pensar como seria assistir um filme ou uma série – por streaming – há cerca de 30 anos atrás? Certo, nesta época não existia Netflix, Amazon Prime, Disney Plus, Apple TV e etc, como conhecemos hoje, portanto, seria impossível experimentar. Mas vamos imaginar que algum maluco visionário resolvesse criar um produto destes e oferecesse a assinatura. Funcionaria? Óbvio que não! Há 3 décadas atrás a internet discada predominava. Os computadores se conectavam na rede mundial de computadores – termo utilizado pelos William Bonner para referenciar a internet no Jornal Nacional – utilizando placas de fax modem – que com sorte poderiam atingir 56 Kbps de velocidade. É impossível de comparar isso com as altas velocidades oferecidas nos dias de hoje. Era muito lento! Portanto, mesmo que alguém tivesse inventado o streaming, naquela época não iria funcionar!

Fax Modem | Trendnet

Hoje é mais ou menos assim com o metaverso. O termo metaverso se tornou buzzword principalmente depois do Mark Zuckerberg resolver mudar o nome das suas empresas para Meta em 2021, na intenção de de ser protagonista na condução deste tema nas relações humanas e corporativas. Porém, metaverso é algo que já existe há bastante tempo. Alguém aí lembra do Second Life? Se falava bastante dessa mistura de game com realidade virtual em meados de 2006/2007. Eu mesmo tinha uma conta e joguei algumas vezes. Muitas empresas falavam em ter seu espaço por lá e algumas até almejavam realizar processos seletivos e entrevistas com candidatos por meio deste local. Deu certo? Não. Por mais que nesta época já existia conexão de banda larga – muito mais rápida que a internet discada – e computadores com algum poder de processamento, a experiência era ruim.

Second Life | Tech Tudo

Depois do movimento do senhor Zuckerberg há quase 3 anos, meio que as empresas e o mercado começaram a olhar novamente para o metaverso. Com isso, até hoje, muita gente fica querendo empurrar esse negócio goela abaixo. Contudo, acredito que ainda não estamos prontos para esta experiência. Não tem tecnologia e as pessoas não querem e nem percebem sentido nisso. Quem usa – ou tenta usar – é porque quer surfar em uma onda que na verdade nem existe. Afinal, o que são aqueles óculos que você precisa colocar a cara dentro e ficar pendurado por um fio. Me admira a Apple lançar uma coisa dessas. Há também exemplos onde se cria um cenário estilo jogo PS1 e você cria um personagem tosco para ficar entrando e saindo de salas. E tem gente que chama isso de metaverso.

Apple VR | Apple

Existem algumas aplicações na indústria que parecem estar funcionando, mas eu não sei se realmente trata-se de metaverso. Parece apenas computação gráfica aplicada na prática. O que faz todo o sentido. No entanto, quando voltamos as atenções para interações humanas, nunca vi um case realmente de sucesso envolvendo metaverso. Não há aplicação prática que compense substituir uma operação tão simples quanto realizar um videoconferência pelo Google Meet, Microsoft Teams ou Zoom. Os meios adotados não justificam o que as pessoas querem – ou pensam estarem fazendo – hoje com o metaverso.

Apesar do meu ceticismo – e eu não estou sozinho – nesse momento, certamente não posso afirmar que o metaverso será sempre assim. Ninguém sabe. Talvez no futuro apareça – ou quem sabe até já exista – uma tecnologia ou aplicação que pode revolucionar o uso do metaverso. Mas no momento, pelo que percebemos, não acho que isto está sendo explorado.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2024

Os celulares mais vendidos na história

Quem fez essa análise, montou o ranking e postou no seu Instagram foi o Arthur Igreja. Mas como me interesso pelo tema – mais ainda quando leva em consideração dados históricos e tecnologia –, acho bacana também compartilhar por aqui para fins de registro.

Os celulares mais vendidos na história | Instagram do Arthur Igreja

E falando em tempo e celulares, eu até já fiz uma timeline com todos os aparelhos que tive até hoje.

domingo, 21 de janeiro de 2024

A Inteligência Artificial é o novo Modelo Ágil?

Antes de qualquer coisa, gostaria de declarar que a percepção que exponho aqui nesse texto não se trata de fruto de uma grande pesquisa baseada em diversas análises. Também não é baseado em algo que uma figura relevante falou – talvez alguém até possa ter falado, mas eu não vi nada sobre isso. O que eu escrevo aqui, trata-se de uma percepção minha, baseado na minha vivência. Pode ser que você vai ler e não faça sentido algum, o que está tudo bem. Porém, talvez você vai concordar comigo, o que me faz pensar que minha visão tenha algum fundamento e isso seria interessante.

Modelo Ágil

Tenho a impressão de que há alguns anos – começando mais ou menos 5 ou 6 anos atrás – o termo da moda em muitas empresas – principalmente do ramo de tecnologia – foi agilidade, como um termo derivado do conceito de Modelo Ágil para desenvolvimento de produtos.

Parece que nesta época, toda a empresa queria dizer que estava se adaptando a esta nova realidade, muito por conta de um outro tema chamado de Transformação Digital, que foca na automação de processos, colocar o cliente no centro e adaptação rápida as mudanças. A onda da agilidade adentrou as companhias, começando pelas equipes de desenvolvimento de software – e por consequência produtos – e depois foi contagiando as demais áreas da TI – e até mesmo fora dela – chegando em outros departamentos, como Administrativo, Finanças e RH, por exemplo.

O Manifesto Ágil – que de certa forma originou o Modelo Ágil – não é algo recente. Foi instituído em 2001, mas as empresas resolveram falar mesmo disto quase duas décadas mais tarde.

Na maioria das organizações parece que o tal do ágil deu certo. Quem adotou, colheu e segue colhendo os frutos disto. E hoje ainda se fala muito nesta prática. Novos cargos foram criados, como Scrum Master e Product Owner, por exemplo. Estas funções até já existiam, porém, não se ouvia falar muito a cerca de uma década atrás.

Inteligência Artificial

Com o surgimento do ChatGPT no final de 2022, a Inteligência Artificial (IA) caiu na boca do povo. Não só no meio corporativo, mas muitas pessoas correram para usar o Generative Pre-trained Transformer (GPT), que combinado com um mecanismo de troca de mensagens, torna-se um chatbot. Esse pessoal descobriu que isso se tratava de IA.

As empresas começaram a perceber a infinidade de oportunidades e benefícios que se pode extrair com a adoção da IA na sua rotina – e começaram a mapear diferentes formas de uso – e incentivar sua adoção.

A Inteligência Artificial não é algo novo. Muito antes dos computadores assumirem sua forma e uso atuais, a IA já era discutida no meio computacional. Há indícios de que o termo foi utilizado pela primeira vez no final da década de 1950. Basta pesquisar pelo seu surgimento.

A corrida para utilização da IA está grande. Há quem afirme que além desta tecnologia ter vindo para ficar – também complementa com a provocação de que quem não se adaptar a ela e aprender a utilizá-la, não terá mais espaço no mercado – isso falando tanto para um indivíduo, como profissional, quanto para as próprias empresas.

Modelo Ágil vs. Inteligência Artificial

Não há uma relação direta entre Modelo Ágil e IA, apesar de ser possível afirmar que a IA pode facilitar as práticas ágeis de desenvolvimento com a automatização de algumas atividades que o time de desenvolvimento realiza, por exemplo, pois enquanto uma – no caso, a IA – é tecnologia aplicada na prática, a outra – o Modelo Ágil e seus métodos, – trata-se de conceitos e processos.

A minha proposta com essa postagem não é comparar uma coisa com a outra. Meu intuito é lembrar que de tempos em tempos, a tendência muda e as empresas – e por consequência as pessoas – são induzidas a estudar e se atualizar sobre o assunto do momento. Entretanto, um assunto não anula o outro. Tudo continua sendo relevante, mas sempre há temas que se destacam.

Pesquisa pelo termo "Modelo Ágil" no Brasil ao longo dos últimos 5 anos conforme o Google Trends

Pesquisa pelo termo "Inteligência Artificial" no Brasil ao longo dos últimos 5 anos conforme o Google Trends

Sendo assim, pelo que falamos aqui, há alguns anos o hype foi a Agilidade e hoje é a IA. Mais uma vez, ressalto que um assunto não anula o outro. É a esteira do conhecimento que desenvolve e aprimora constantemente as pessoas e as organizações. Tudo se completa. 

Mas e aí, qual será o tópico da moda daqui a 5 anos?

quinta-feira, 18 de janeiro de 2024

Menti sobre o quanto eu assistia TV

Quando eu estava na 4ª série, a professora de matemática passou como tema de casa uma atividade que consistia em calcularmos o tempo diário que passávamos assistindo TV. Eu comecei a pensar e percebi que desde a hora em que eu chegava em casa até a hora de ir pra cama, ficava em torno de 8 horas em frente à tela. Haviam algum intervalos, normalmente mais no meio da tarde, quando eu saía para brincar no pátio de casa, mas logo mais à noite, eu voltava pra TV. Fiquei assustado com o resultado, pois era muito tempo!

Homer ligando a TV | Pinterest

Na aula seguinte, a professora pediu para cada aluno ler do seu caderno o cálculo que havia feito. Antes da minha vez, uma colega falou, e envergonhada, ela contou que ficava 8 horas por dia assistindo TV. Eu logo pensei: "Nossa, é o mesmo tempo que eu!". A professora retrucou e disse: "8 HORAS?!?!?!". E complementou dizendo algo como: "É por isso que você tem as notas que têm!

As minhas notas em matemática, principalmente na 4ª e 5ª séries nunca foram lá grandes coisas. Por isso, ouvindo a crítica que a menina recebeu, tratei de passar uma borracha nas 8 horas que estavam escritas no meu caderno e escrevi 4h, achando que seria mais conveniente e não seria criticado quando chegasse a minha vez de falar. Deu certo. 😅


Essa é uma lembrança em que eventualmente penso. Não tem lição alguma nisso. Para quem interessar, na 6ª série eu fui para outra escola, onde o ensino era mais puxado e eu acabei tendo que largar a TV pra dar conta de todos os temas de casa. 

Entretanto, lembrei de escrever sobre esta memória principalmente depois que migrei para o ecossistema da Apple, que conta com um utilitário de tempo de uso dos aparelhos: faz algum tempo que eu já tinha um iPad, mas ano passado comprei um Macbook (que passou a ser minha máquina principal de trabalho) e alguns meses depois fui para um iPhone. Portanto, basicamente meus sistemas operacionais atualmente são iOS e MacOS, sendo beneficiado de toda a integração que a Apple oferece.

Conforme os relatórios de tempo de uso, a imagem acima demonstra minha média diária, levando em consideração todos os meus dispositivos da Apple. Veja quanto tempo deu. É semelhante a algum valor conhecido? 😳

By the way, eu sei que é uma comparação tosca. Inclusive, essa média que ele fez acho que não é grande coisa... Eu trabalho de segunda à sexta-feira utilizando o notebook por pelo menos 8 horas por dia. E na parte da noite, fico de 1h à 30 min fuçando no telefone. Mas claro, está sendo considerado no gráfico sábados e domingos também, quando destoa bastante o padrão de uso diário. Não sei também se está sendo coletado as informações de todos os aplicativos, pois como este não é um recurso que me interessa muito, nunca me dediquei na revisão das configurações. 

De qualquer forma, só achei muito curioso meu tempo de uso medido pela Apple ser quase o mesmo tempo que eu ficava na frente da TV quando estava na 4ª série. 😆