domingo, 29 de maio de 2022

O Projeto Unicórnio

Ano passado, li O Projeto Fênix e postei aqui minhas percepções sobre o livro. Agora, finalizei O Projeto Unicórnio – outra produção de Gene Kim – o mesmo autor do O Projeto Fênix. Gostei igualmente dos dois livros. Acho que eles se complementam, e nos próximos parágrafos, comento um pouco sobre a trama e os pontos de conexão entre as obras.

No O Projeto Fênix, acompanhamos a trajetória de Bill Palmer, executivo de TI da Parts Unlimited – uma gigante do setor automotivo, – que enfrenta um período complicado frente a um mercado em constante evolução e que exige resultados financeiros que a companhia tem dificuldade para entregar. O "salvador da pátria" seria o Projeto Fênix, com a promessa de revolucionar a maneira como a organização interage com seus clientes, oferecendo um sistema de E-Commerce robusto e totalmente integrado com as demais áreas e plataformas da empresa. No entanto, devido a uma série de problemas estruturais – principalmente envolvendo processos, metodologias e comunicação – entre as áreas de operações e desenvolvimento de TI –, somado ao total desalinhamento com as expectativas e prazos das áreas de negócio, o go-live do projeto não é tão bom quanto o esperado. Isso faz com que diversos princípios sejam revistos, provocando uma mega reestruturação na TI; iniciativa que foi chamada de Projeto Unicórnio.
 
O Projeto Unicórnio – Um Romance sobre Desenvolvedores, Disrupção Digital e Sucesso na Era dos Dados

No livro que leva este nome, somos apresentados a Maxine Chambers – uma conceituada engenheira de software –, que acabou sendo realocada na estrutura de TI da companhia, onde se deparou com inúmeras falhas de planejamento, processo, comunicação e controle de qualidade – os bastidores do Projeto Fênix.

Enquanto em O Projeto Fênix conhecemos a história do ponto de vista de Bill, em O Projeto Unicórnio, acompanhamos pelo olhar de Maxine. Em O Projeto Unicórnio, alguns personagens que conhecemos no O Projeto Fênix aparecem – como o próprio Bill –, mas o contrário não acontece, pois apesar da cronologia da história relatada por ambos ser a mesma, O Projeto Unicórnio foi escrito depois do O Projeto Fênix.

Maxine – na sua jornada – encontra o mesmo mentor que ajudou Bill no primeiro livro. Um figurão chamado Eric, que apresenta à engenheira ao que é chamado de Os Cinco Ideais. Junto com alguns colegas – que compartilham dos mesmos incômodos experimentados por Maxine em relação a estrutura da empresa e a maneira que lidam com tecnologia e negócios, é formado um grupo de trabalho independente. Este time – inicialmente intitulado de A Rebelião – usa os ideais de Eric para fazer a diferença, trazendo à tona iniciativas de inovação nunca antes pensadas pela organização tradicional de TI, o que acaba sendo fundamental para a eficiência e os resultados financeiros requeridos para a empresa retomar sua posição no mercado.

Preciso ler um livro antes do outro?


O autor – Gene Kim – comenta na apresentação de O Projeto Unicórnio que não é necessário ler O Projeto Fênix primeiro. Não há uma dependência entre os livros. Retomando o que comentei, a história contada por ambos é a mesma, mas de pontos de vista diferentes. Avalio que isso foi muito bem-feito pelo autor, o que de modo algum faz com que um livro anule o outro ou mesmo não compense ler ambos.

P.S.: Um disclaimer que faço – e isso já havia me incomodado um pouco em O Projeto Fênix – é a tradução para português. Alguns termos mais técnicos – a maneira como são traduzidos não é a mais adequada. Contudo, compreendo que é complexo acertar este ponto e sei que há a versão em inglês também disponível. Mesmo assim, deixo aqui meu ponto de atenção quanto a isso, caso a sua ideia seja ler em português.

domingo, 24 de abril de 2022

Brazilian Connection

Há alguns dias, postei um tweet que me fez lembrar de uma estória engraçada que aconteceu há 10 anos, ainda no meu intercâmbio para Toronto no Canadá. Considerando que eu relatei algumas experiências dessa viagem por aqui (posts entre agosto e dezembro de 2012) e também no meu outro blog, talvez, na época, eu até já tenha feito este conto. Não lembro. Porém, como faz tanto tempo, acho que vale recordar, não é mesmo?

Logo nos primeiros dias de viagem fiz um amigo, o Eduardo. Certo dia, ele chegou na escola falando "Today we need to look for a connection to my laptop". Na ocasião, ele relatou que tinha um adaptador de tomada trazido do Brasil, mas que na noite anterior, plugou na tomada da sua homestay – a casa de família onde ele estava hospedado – e acabou gerando um blackout no apartamento inteiro. Sendo assim, ele estava com receio de usá-lo novamente – e com razão. 

Dizem que brasileiro só vai para o exterior pra fazer "m", né? Então... 🤣 Brincadeiras à parte, depois da aula nós fomos à caça de um novo adaptador de tomada para recarregar o notebook do Eduardo. Chegamos na a falecida Future Shop – que em 2015 foi adquirida pela BestBuy. Apesar de haver uma unidade desta loja bem próxima da escola, lembro que acabamos indo até uma que ficava em downtown, na Dundas Square.

Complexo de lojas na Dundas Square onde ficava a Future Shop

Entrando na loja, eu fui olhar algumas coisas enquanto o Eduardo questionava o vendedor. Quando ele voltou, eu perguntei o que o cara havia respondido e ele disse: "Mandou a gente ir na seção de 'brazilian connections'.". What? Como assim "brazilian connections"? Quer dizer que há uma seção de adaptadores de tomada exclusiva para brasileiros? 😅

Unbelievable! E a estória termina aí. 😆 Talvez agora não pareça tão engraçada, mas lembro que na hora foi muito! Inclusive, brazilian connection foi uma expressão que usamos durante a viagem toda e só nós entendíamos o real significado. Boas lembranças!

P.S.: Quanto ao adaptador de tomada para o notebook do Eduardo, sim, nós conseguimos encontrar, e o novo funcionou bem durante toda a viagem, não derrubando mais a rede elétrica da dos canadenses.

domingo, 17 de abril de 2022

Já participou de algum desses projetos?

OK, a fim de setarmos a expectativa quanto a esse post, já vou avisando que é zoeira. 😅 Entretanto, arrisco dizer que toda a brincadeira sempre guarda um fundo de verdade. 😬 Portanto, não se intimide em levantar a mão e admitir que você já esteve em algum dos projetos descritos a seguir e se identificou com o título que ele recebeu.

clique na imagem para ampliar

Tipos de Projetos

  • Highlander - Não acaba nunca.
  • Fênix - Renasce das cinzas.
  • Menina Assustada - Volta e meia atrasa.
  • Massa - Até larga bem, mas nunca termina.
  • Thor - Até vai, mas só na base da martelada.
  • Biju - Parece joinha, mas só parece mesmo.
  • Bombril - Vai ter tanta utilidade que ninguém sabe bem para o que vai servir.
  • Camisa da Moda - Vale a metade e custa o dobro.
  • Novela da Tarde - Tá valendo a pena ver de novo – no caso, a entrega.
  • Casamento - Quem tá fora quer entrar, quem tá dentro quer sair.
  • 24 horas - Cada dia é uma surpresa.
  • Gravidez - Prazo não muda de jeito nenhum.
  • Salário - Termina bem antes do fim, mas fica devendo.
  • Cumbuca - Gerente velho não põe a mão.

Só não vale concordar e rir se tiver atuado como o gerente de algum destes projetos, viu? 😂

P.S.: Recebi essa brincadeira no grupo de Whatsapp da firma. Como quem compartilhou estava apenas encaminhando, não sei qual é a fonte original.

Trabalho não é só enviar E-mails. Mas enviar E-mails também é trabalho.

Há quase 2 anos, passadas algumas semanas do início da quarentena e do home office, a firma contratou uma palestra de uma pessoa bastante influente no meio corporativo e no ramo de consultorias. Não vou comentar quem é a fim de não a expor, já que afinal, eu admiro o seu trabalho e concordo com a maioria dos seus pontos de vista – e talvez ela nem lembre que tenha falado isso, mas ficou na minha cabeça. Na ocasião ela afirmou que "enviar E-mails não é trabalho", sugerindo que há profissionais que se orgulham de encerrar o dia tendo enviado, por exemplo, 20 E-mails e acham que trabalharam muito na ocasião.

Existem muitas controversas em relação a E-mails. Geralmente eles provocam frustração nas pessoas. Muita gente não dá conta de manter a sua caixa de entrada "limpa" e organizada, pois normalmente o ritmo de leitura das mensagens é inúmeras vezes menor que a velocidade com que novos itens chegam. Além disso, tem também quem defenda o uso de outras ferramentas e estratégias de comunicação. No entanto, verdade seja dita: todo mundo recebe e envia E-mails diariamente – talvez em alguns dias o fluxo seja maior ou menor do que em outros, porém, mais cedo ou mais tarde, pelo menos um E-mailzinho a pessoa vai ler ou escrever naquele dia.

E aí, eu penso: escrever E-mails não é trabalhar? Quem escreve um E-mail é porque tem algo a ser dito e quem recebe um E-mail é porque precisa saber sobre determinada informação. Já faz um bom tempo que penso nisso, mas há alguns dias, quando passei uma parte da minha tarde escrevendo dois E-mails importantes, me voltei a este ponto.

É claro que muitas vezes um cafezinho pode substituir uma troca interminável de E-mails, ou chamar a pessoa no Teams, para questionar sobre determinado assunto pode ser muito mais eficiente do que escrever um E-mail e ficar por dias esperando a resposta. Contudo, tem muita informação que precisamos expor – colocar no papel mesmo – até para mais tarde nós sabermos o que foi dito ou definido em determinada reunião ou sobre certo assunto, e o E-mail é um mecanismo para isso.

Nos envolvemos tanto em diversos assuntos durante uma semana e nem sempre conseguimos resolvê-los rápido. E-mails podem ser úteis para fins de histórico, rever o que foi discutido e decidido. Portanto, não julguemos os E-mails e muito menos afirmemos que "enviar E-mail não é trabalho". Certamente o expediente não pode se resumir em apenas redigir E-mails – coisas precisam ser executadas e resolvidas no meio disso – mas enviar E-mails também é peça do ofício, com certeza!

domingo, 10 de abril de 2022

Combo aleatório de imagens #9

E aí, meu povo! Não só o combo aleatório de imagens anda sumido por aqui. Eu também estou. Essa é a primeira postagem que estou fazendo neste ano. Pois é, as prioridades andam um pouco diferentes no momento. Mas nada melhor que retomarmos agora com algumas imagens bacaninhas e aleatórias, não é mesmo? Bora lá!

Será que esse notebook serviu de alvo em um clube de tiro ou tudo isso é pra colaborar com a refrigeração? 😆 Isso me lembra as gambiarras que um ex-colega fazia quando trabalhávamos com manutenção de computadores. 🤭


Designers: – Veja, nós tivemos ideias parecidas!Não! Você roubou a minha ideia!

Desenvolvedores: Cara, eu roubei seu código!Esse código não era meu!

E não é? 😅


Essa é a grade padrão de qualquer curso de TI do ponto de vista dos amigos, família e conhecidos de quem resolve se envolver nessa área. 😒


Então... 🤭

 

Aham, outra partição. 😉

 

Tom é o clássico exemplo de Fullstack Developer. 😂


Esse clean-up deve ser dos bons. 🙈


Como diria o Paulinho Mixaria: Rã é bom frita! 🐸 

 

Quando todas as funcionalidades paralelas foram implementadas em produção, mas a principal foi cancelada por conta do projeto ter extrapolado o orçamento . 💸


Requisito para Pessoa Analista de Dados: Utilizar inteligência artificial e capoeira cognitiva para solução de problemas complexos. Tem que manjar dos paranauê pra essa vaga. 🤣

É isso! Esse foi mais um combo de imagens aleatórias! Até a próxima! ✌️